domingo, 30 de junho de 2013

Lonsdale Ragg no Pinhal do Rei em 1937


            Lonsdale Ragg visitou o Pinhal do Rei em 1937, onde estudou e desenhou os mais velhos e notáveis pinheiros da nossa Mata.
            Sobre Lonsdale Ragg diz-nos o Eng.º Arala Pinto no seu livro “O Pinhal do Rei”: “De entre os visitadores estrangeiros do Pinhal de Leiria, quero destacar Lonsdale Ragg, pontífice da religião protestante e do druidismo, inspector dos templos protestantes construídos pelo homem, e dos monumentos vivos erguidos pela Natureza, espalhados uns e outros por todos os recantos do Globo.
            Setenta e quatro anos (?) vividos a insuflarem o espírito do amor do próximo, de bondade e a trazer para “The tree Lover” as imagens das velhas árvores, que o provecto peregrino em giros continuados vai descobrindo na Europa, na Ásia, nas Américas, na África ou na Oceânia.
            Filho do país da bruma, talvez do oeste da Grã-bretanha ou da Irlanda … Lonsdale Ragg bateu um dia à porta da minha tebaida, queria um guarda-florestal que lhe mostrasse os velhos pinheiros de D. Dinis que desejava desenhar, vi então trabalhar um dos mais extraordinários copistas da Natureza, enquanto a sua comitiva gargalhava e praticava desporto patinando sobre a caruma”
            Aqui ficam alguns dos desenhos de Lonsdale Ragg.

O Pinheiro do Montinho

O Pinheiro dos Lavradores

O Pinheiro-manso, do Tromelgo

domingo, 23 de junho de 2013

O Ponto de Vigia da Crastinha

            Em finais do Séc. XIX, para detecção de incêndios no Pinhal do Rei, Bernardino Barros Gomes mandou instalar os Pontos de Vigia. Inicialmente, estes Pontos eram pequenas barracas de madeira com torres anexas nos sítios mais altos do Pinhal: Facho, Ladeira Grande, Crastinha e também no Edifício da Resinagem. Em cada um viviam dois homens vigiando permanentemente o Pinhal, vindo um deles avisar a Administração em caso de incêndio.
            Alguns anos após a sua construção foram reconstruídos os Pontos da Ladeira Grande e da Crastinha, por a madeira estar a apodrecer, e também o do Facho por estar mal construído. Nessa reconstrução, estes Pontos passaram a ser constituídos por altas armações em ferro, em cujo topo, rodeado por uma varanda, estava o posto de vigia.
            A partir de 1936, por projecto do Eng.º Mário Amaro Santos Galo, o Ponto do Facho e o da Crastinha foram reconstruídos em cimento armado. O Ponto da Ladeira Grande foi substituído pelo Ponto Novo. Nessa reconstrução, anexa à torre de vigia, existia uma pequena casa onde viviam os Guardas que faziam a vigilância. Dessas pequenas casas, anexas aos Pontos de Vigia no interior do Pinhal do Rei, resiste apenas a que se encontra junto ao Ponto da Crastinha, caminhando, todavia, a passos largos, em direcção à completa ruína, tal é o seu, já muito avançado, estado de degradação.
            Actualmente, o funcionamento destes Pontos de Vigia limita-se aos meses de Verão.


            Coordenadas Geográficas aproximadas:
            39° 49' 52" N

            08° 58' 15" W



O Ponto de Vigia da Crastinha

Vista a partir do interior da casa anexa

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Árvore de interesse público - Talhão 289

            Este monumental eucalipto, situado no talhão 289 do Pinhal do Rei (Mata Nacional de Leiria), faz parte da lista completa das árvores notáveis, classificadas como árvores de interesse público, do Pinhal do Rei e do Concelho da Marinha Grande, que aqui coloquei e que, tal como outras, “pela sua forma, idade e dimensão, justificam que sejam preservadas, respeitadas e apreciadas”.
            Aqui ficam os dados deste gigantesco eucalipto do Pinhal do Rei:

            Lugar: Mata Nacional de Leiria - Talhão 289, parcela A
            Nome científico: Eucalyptus globulus Labillardière
            Nome vulgar: Eucalipto
            Descrição: Árvore isolada
            Perímetro a 1,30m do solo: 9,2 m
            Diâmetro a 1,30m do solo (DAP): 2,9 m
            Diâmetro médio da copa: 37,5 m
            Altura: 48,5 m   
            Idade aproximada: 100

Placa alusiva a esta árvore

O eucalipto gigante do Tromelgo

domingo, 9 de junho de 2013

O Pinhal do Rei em 1912

            Com o título “A nossa riqueza florestal e o vandalismo”, este artigo, publicado na “Ilustração Portuguesa” em 30 de Junho de 1912, relata factos e acontecimentos ocorridos no Pinhal do Rei à data da sua publicação. As fotografias são do distinto fotógrafo amador da Marinha Grande, Sr. João de Magalhães Junior.
  
In: Ilustração Portuguesa nº 329 de 30 de Junho de 1912 (extractos do publicado)
© Hemeroteca Digital
 
In: Ilustração Portuguesa nº 329 de 30 de Junho de 1912
© Hemeroteca Digital

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Árvore de interesse público - Talhão 154

            Este pinheiro, situado no talhão 154 do Pinhal do Rei (Mata Nacional de Leiria), faz parte da lista completa das árvores notáveis, classificadas como árvores de interesse público, do Pinhal do Rei e do Concelho da Marinha Grande, que aqui coloquei e que, tal como outros, “pela sua forma, idade e dimensão, justificam que sejam preservados, respeitados e apreciados”.

Árvore de interesse público - Talhão 154

Placa alusiva a esta árvore
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...