quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

O Comboio de Lata

            O escoamento para o exterior dos produtos do Pinhal foi, no século XIX, até cerca de 1885, feito com recurso ao Comboio Americano, de tracção animal, que fazia a ligação entre Pedreanes e o porto de São Martinho do Porto, numa extensão de 36 km, passando em frente da Real Fábrica de Vidros e do Edifício da Fábrica de Resinagem.
             Em 1885, com o início da construção da linha de caminho-de-ferro do Oeste que aproveitou parte do traçado da linha do Comboio Americano e com a chegada, em 1888, à Marinha Grande dos comboios a vapor, o Comboio Americano foi desactivado, passando o escoamento dos produtos do Pinhal a ser feito através da nova linha de caminho-de-ferro do Oeste.
            No entanto, prevalecia o problema dos transportes dentro da Mata e entre Pedreanes e a estação dos caminhos-de-ferro.
            A rede de estradas era diminuta e os caminhos existentes tinham pouca resistência aos pesados carros puxados por bois, carregados de lenha e grandes toros.
            Este problema foi resolvido com a introdução de outro comboio.
            Este novo comboio veio para Portugal como forma de pagamento de indemnizações por danos de guerra, a que a Alemanha, perdedora da guerra 1914-18, tinha sido obrigada a pagar aos países vencedores.
            Por iniciativa do Eng.º Silvicultor António Mendes de Almeida, o comboio é trazido para o Pinhal de Leiria começando a circular em 1923.
            A construção da linha férrea teve orientação do Silvicultor António Eduardo F. Gameiro.
            O pequeno comboio de via reduzida (60 cm), sistema Decauville, era composto por três máquinas a vapor, alimentadas com lenha do próprio Pinhal, por dois vagões de passageiros, vários outros de caixa aberta (para carga variada) e alguns outros, próprios, para o transporte de grandes pinheiros.
            Este comboio ficou conhecido por “Comboio de Lata” quando, segundo consta, certo dia, num grupo de amigos, o Dr. Manuel Francisco Alves, em tom brincalhão, exclamou: “Um Comboio de Lata!...”. E por esse nome ficou conhecido.
            Existiam 3 linhas principais: Pedreanes - estação dos caminhos-de-ferro; Pedreanes - S. Pedro de Moel (Farol do Penedo da Saudade); Pedreanes - talhão 225 (perto da Ponte Nova). Esta rede ferroviária tinha cerca de 30 km possuindo também pequenos ramais para as principais serrações.
            Em dias festivos, principalmente na Quinta-Feira da Ascensão, o comboio era cedido à população para passeios na Mata ou idas à praia.
            Também os veraneantes de S. Pedro de Moel, uma ou duas vezes por época, tinham o privilégio de nele passearem e tomarem conhecimento da importância e grandiosidade que tinha o grande Pinhal.
            Em 1965, com a nova rede de estradas praticamente concluída, o comboio foi desactivado e deixou de circular.
            Em 1967, todo o conjunto que compunha o Comboio de Lata, máquinas, carruagens e carris, foi vendido em hasta pública, para sucata, à porta da Repartição de Finanças.
            Uma das máquinas e uma carruagem de passageiros foram entretanto adquiridos pela Câmara Municipal. Em 1974 foram colocados em S. Pedro de Moel, no Parque Infantil Arala Pinto, pretendendo-se mostrar ou apenas recordar, o que tinha sido o célebre “Comboio de Lata”.
            Mas, sem a adequada protecção, o comboio foi alvo de vandalismo e, em poucos anos, era já avançado o seu estado de degradação, sendo pouco mais do que sucata.
            Em 1996, por iniciativa da Junta de Freguesia da Marinha Grande, a locomotiva foi retirada de S. Pedro de Moel e exposta na Feira de Artesanato e Gastronomia na Marinha Grande.
            Posteriormente, em 1997, a mesma Junta de Freguesia promoveu um pequeno restauro da velha locomotiva, sendo então guardada nos estaleiros da Câmara Municipal.
            Actualmente encontra-se nos pavilhões do Parque Municipal de Exposições da Marinha Grande, onde, no âmbito da Feira de Artesanato e Gastronomia, tem sido exposta. Assim aconteceu em 2011 em mais uma edição da Feira de Artesanato e Gastronomia da Marinha Grande, onde, mais uma vez, a Junta de Freguesia da Marinha Grande voltou a expor o velho “Comboio de Lata”.

O Comboio de Lata em 1923

O Comboio de Lata em 1936

O Comboio de Lata em S. Pedro de Moel nos anos 80 do séc. XX

O Comboio de Lata em 2011 na Feira de Artesanato e Gastronomia da Marinha Grande

3 comentários:

  1. Muitos parabéns, gostei imenso!!

    Rita Matos Gomes

    ResponderEliminar
  2. Obrigada por me permitir conhecer um pouco da história da Marinha Grande! Parabéns ao/s autor/es
    do blog.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...